BlogBlogs.Com.Br Naftalina - Porque a paixão esteve muito tempo guardada: Armadilhas de Morfeu

sábado, 27 de setembro de 2008

Armadilhas de Morfeu




O dia amanhece, lentamente.
Na minha mente, os gols que valeram o título!

"Equipe jogou de maneira ofensiva, sem descuidar da retaguarda, não era a perfeição de organização tática, mas era superação em vontade e raça" - declarou o técnico, que um dia já foi jogador e vestiu a camisa de desenho simples, mas deveras elegante.

A torcida encheu pouco o estádio: 5.632 presentes! Minto, 5.631... pois eu comprei um ingresso pro meu irmão, mas ele não foi. Perdeu a festa. Bem, ele não é muito de festas mesmo. Os cantos da torcida faziam parecer que o estádio da Rua Cosmorama era um Maracanã da Baixada. "Ouvi o grito de Sangue lá de Tinguá" - esbravejou um vascaíno.

Não tinha nenhuma equipe de tv, como era de se esperar. Tinha umas duas rádios e alguns estudantes de jornalismo cobrindo o jogo. Por falta de patrocínio, a equipe foi formada por jogadores da base, que por incrível que pareça, eram de uma boa colheita, apesar do sucateamento das divisões de base. Graças a uma parceria com um time paulista, conseguimos alguns valores que deram um toque de experiência ao time. Tudo isso foi possível com a eleição do presidente que veio da arquibancada. Um rubro arquibaldo.

O uniforme voltou às origens. Nunca gostei tanto do vermelho-rubro. Short branco, sem detalhe algum, meia zebrada!!! Desde os tempos de Belfort Duarte isso não acontecia. Aliás, o nosso estádio hoje se chama Belfort Duarte, não por desejo dos conselheiros, mas a torcida o rebatizou.

O apelido do Estádio Belfort Duarte acabou ficando como "Zagueirão".

Incrível, o jogo foi fantástico. 3x2 para nós, e de virada. Diferentes de outros anos, nossa campanha em casa foi fundamental para a conquista do título. O adversário era mais um desses times de prefeitura, mas que jogava bem também. Um jogo bom de ser visto. Nosso atacante, de 18 anos, cria de Edson Passos, não foi artilheiro por dois gols. Tivemos a defesa menos vazada, o técnico, um zagueiro que orgulhava meu pai, acertou o posicionamento de todos lá trás. O camisa 10 veio de fora, do tal time paulista, e é um bom jogador! Deve voltar pra São Paulo no ano que
vem...

Ao fim do jogo, o juiz marcou um penalti para o time adversário. Se empatessemos, perderíamos o título, mas não o acesso. Nosso goleirão pegou! A torcida comemorou como se fosse um gol!!! O juiz apita e dá o fim do jogo...

O choro na arquibancada serviu para irrigar o gramado do Zagueirão. A volta olímpica não foi um "volta", pois a arquibancada do lado oposto às socias, que já ganhou cobertura novamente, estava vazia. O placar anunciava: America, campeão da Série B 2009!!!


Aí o despertador tocou.


Pobre americano, caiu em mais uma armadilha de Morfeu.

Um comentário:

COLEÇÃO disse...

Tô sempre aqui lendo teus posts, gosto muito.

Sou Botafoguense e carioca, e torço para que o América volte a brilhar no cenário nacional, sei que é difícil a situação. Mas, a torcida é forte e não pode deixar o clube morrer!

Que o Flor caia e o América levante! Não necessariamente nessa ordem. Mas, que um dia possamos olhar para a tabela do Brasileirão e ver um América guerreiro e representando o Rio, com honestidade e um bom futebol!

Sem demagogias.

Abraço