BlogBlogs.Com.Br Naftalina - Porque a paixão esteve muito tempo guardada: Setembro 2008

sábado, 27 de setembro de 2008

Armadilhas de Morfeu




O dia amanhece, lentamente.
Na minha mente, os gols que valeram o título!

"Equipe jogou de maneira ofensiva, sem descuidar da retaguarda, não era a perfeição de organização tática, mas era superação em vontade e raça" - declarou o técnico, que um dia já foi jogador e vestiu a camisa de desenho simples, mas deveras elegante.

A torcida encheu pouco o estádio: 5.632 presentes! Minto, 5.631... pois eu comprei um ingresso pro meu irmão, mas ele não foi. Perdeu a festa. Bem, ele não é muito de festas mesmo. Os cantos da torcida faziam parecer que o estádio da Rua Cosmorama era um Maracanã da Baixada. "Ouvi o grito de Sangue lá de Tinguá" - esbravejou um vascaíno.

Não tinha nenhuma equipe de tv, como era de se esperar. Tinha umas duas rádios e alguns estudantes de jornalismo cobrindo o jogo. Por falta de patrocínio, a equipe foi formada por jogadores da base, que por incrível que pareça, eram de uma boa colheita, apesar do sucateamento das divisões de base. Graças a uma parceria com um time paulista, conseguimos alguns valores que deram um toque de experiência ao time. Tudo isso foi possível com a eleição do presidente que veio da arquibancada. Um rubro arquibaldo.

O uniforme voltou às origens. Nunca gostei tanto do vermelho-rubro. Short branco, sem detalhe algum, meia zebrada!!! Desde os tempos de Belfort Duarte isso não acontecia. Aliás, o nosso estádio hoje se chama Belfort Duarte, não por desejo dos conselheiros, mas a torcida o rebatizou.

O apelido do Estádio Belfort Duarte acabou ficando como "Zagueirão".

Incrível, o jogo foi fantástico. 3x2 para nós, e de virada. Diferentes de outros anos, nossa campanha em casa foi fundamental para a conquista do título. O adversário era mais um desses times de prefeitura, mas que jogava bem também. Um jogo bom de ser visto. Nosso atacante, de 18 anos, cria de Edson Passos, não foi artilheiro por dois gols. Tivemos a defesa menos vazada, o técnico, um zagueiro que orgulhava meu pai, acertou o posicionamento de todos lá trás. O camisa 10 veio de fora, do tal time paulista, e é um bom jogador! Deve voltar pra São Paulo no ano que
vem...

Ao fim do jogo, o juiz marcou um penalti para o time adversário. Se empatessemos, perderíamos o título, mas não o acesso. Nosso goleirão pegou! A torcida comemorou como se fosse um gol!!! O juiz apita e dá o fim do jogo...

O choro na arquibancada serviu para irrigar o gramado do Zagueirão. A volta olímpica não foi um "volta", pois a arquibancada do lado oposto às socias, que já ganhou cobertura novamente, estava vazia. O placar anunciava: America, campeão da Série B 2009!!!


Aí o despertador tocou.


Pobre americano, caiu em mais uma armadilha de Morfeu.

Audiência.


Um amigo hoje veio me perguntar: porque você mantém o NafRub?
" Zero de Comentários não significa nada. Só de saber que estão lendo o meu blog, independente de comentarem ou não, já é gratificante "


Fico sabendo de quem acompanha o NafRub no dia a dia...
Seja ao vivo, por MSN, por orkut... ou acreditem, até pelo telefone...

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Hoje, eu só quero cantar

18/09/08 - 104 anos
America, eu preciso lhe falar!
America, eu preciso lhe dizer!
Que a minha vida, é sem graça sem você!

sábado, 6 de setembro de 2008

Setembro Vermelho




A Cor do pavilhão
Colore o céu, se cobre no véu
De esperança, luz, amor
"O sonho não terminou"
Estamos de pé, não se trata de fé
Nem de religião
Se acreditamos, se suspeitamos
São espinhos do coração
O sangue escorre
Entope as veias
São os sintomas da paixão
O hino ao tocar
Nos faz transpirar
É possível ter razão?
Guerreiros sem armas
Torcedores, devotos
Humanos!
O terror é não ter
Não ter pra quem torcer
Não viver para torcer
Torcer pra quê?
Tatuagem na alma
É karma, é alegria
É nostalgia!
Inexplicável...
Nem a ciência ousaria
Não pode ser traduzido
Sentimento enraizado.
Centenário...
Setembro é aniversário
É luta, é gol, é penalti
Fatalidade é não existir
Futebol é detalhe
Resumo de uma paixão
Calvário? Privilégio?
Não sei. Mistério!
Rubro que é rubro
Torce até a morte.
Talvez mais, até além.
No paraíso, porque não?
No Inferno também.

104 anos!


A semana começou com um novo mês. E com ele, já próximo, vem o período eleitoral do America. Mas setembro é um mês especial pro AFC. No meio do mês, o clube faz a passagem para os 104 anos de existência.

Uma instituição do esporte no Brasil. Mas isso hoje vale muito pouco. E acho que não devemos mesmo se apoiar na nossa história gloriosa, cheia de grandes conquistas. Um projeto de médio a longo prazo precisa surgir para que a chama de conquistas não se apague. Nosso ponto de partida é a Série B Carioca, que seja nela nosso despertar.

Tornar todos os meses, setembro.
Tornar todo setembro, em vermelho.